Liber A vel Armorum sub figura CDXII

Liber A vel Armorum sub figura CDXII
Sigillum Sanctum Fraternitatis A∴A∴

Publicação da A∴A∴
em Classe D.


“… o obeah e o wanga; o trabalho da baqueta e o trabalho da espada; estes ele aprenderá e ensinará”. Liber AL I:37.

Pegue cera pura, ou uma placa de ouro, de prata dourada ou de Electrum Magicum. O diâmetro deve ser de oito polegadas, e a grossura de meia polegada.
Que o Neófito por sua compreensão e ingenium conceba um símbolo que represente o Universo.
Que seu Zelator o aprove.
Que o Neófito entalhe o mesmo sobre a placa com sua própria mão e arma.
Que quando terminada ela seja consagrada conforme ele tem a habilidade de realizar, e mantida envolta em seda verde esmeralda.

Que o Zelator pegue um pedaço de aço puro, bata ele, afie ele, aponte ele, pule ele, de acordo com a arte do ferreiro.
Que ele pegue ainda um pedaço de madeira de carvalho, e esculpa um punho. O comprimento deve ser de oito polegadas.
Que por sua compreensão e ingenium conceba uma Palavra que represente o Universo.
Que seu Practicus o aprove.
Que o Zelator entalhe o mesmo sobre a sua adaga com suas próprias mãos e instrumentos.
Que ele ainda doure a madeira de seu punho.
Que quando terminada ela seja consagrada conforme ele tem a habilidade de realizar, e mantida envolta em seda amarelo ouro.

Que o Practicus pegue um pedaço de Prata e molde a partir dele uma taça. A altura deve ser de 8 polegadas, e o diâmetro de 3.
Que por sua compreensão e ingenium conceba um Número que represente o Universo.
Que seu Philosophus o aprove.
Que o Practicus entalhe o mesmo sobre sua taça com suas próprias mãos e instrumentos.
Que quando terminada ela seja consagrada conforme ele tem a habilidade de realizar, e mantida envolta em seda azul-celeste.

1)

Que o Philosophus pegue uma barra de cobre, do comprimento de oito polegadas e diâmetro de meia.
Que ele molde sobre o topo uma chama tripla de ouro.
Que por sua compreensão e ingenium conceba um Ato que represente o Universo.
Que seu Liminis Dominus o aprove.
Que o Philosophus realize o mesmo de tal forma que o Báculo possa participar nele.
Que quando terminada ela seja consagrada conforme ele tem a habilidade de realizar, e mantida envolta em seda escarlate fogo.

2)

Que o Dominus Liminis pegue chumbo puro, estanho e mercúrio, com platina, e, se for necessário, vidro.
Que por sua compreensão e ingenium conceba uma Lâmpada Mágica que queimará sem pavio ou óleo, sendo alimentado pelo Æthyr.
Isso ele realizará secretamente e aparte, sem pedir o conselho ou a aprovação de seu Adeptus Minor.
Que quando consagrado o Dominus Liminis o mantenha na câmara secreta da Arte.
Isso então é aquilo que está escrito: “Estando equipado com armadura completa e armado, ele é semelhante à deusa”.
E novamente, “eu estou armado, eu estou armado”.

Traduzido por Frater Set Rah em 2009.


1)
N.S.R. No original baculum, que em latim significa bastão, e no inglês báculo – um osso do pênis de alguns animais.
2)
N.S.R. Poderia ser traduzido como lâmpada, mas mantive (o termo também correto) lampião, como o do Kerux na Golden Dawn, embora também usassem lâmpadas de um tipo diferente. Enfim, se refere a um recipiente que queima óleo, tem pavio e ilumina.


Thelema

Se você achou esse material útil ou esclarecedor, você também pode se interessar por:

Trademark

Ordo Templi Orientis, O.T.O., e o design do lámen da O.T.O. são marcas registradas da Ordo Templi Orientis.

Copyright

Todos os direitos autorais sobre os materiais de Aleister Crowley são detidos pela Ordo Templi Orientis. Este site não é um website oficial da O.T.O., nem é patrocinado ou controlado pela Ordo Templi Orientis.

O texto deste material de Aleister Crowley só foi disponibilizado aqui para uso pessoal e não-comercial. Este material foi disponibilizado aqui de uma maneira conveniente e pesquisável como um recurso de estudo para os aspirantes procurando por ele em sua pesquisa. Para qualquer uso comercial, por favor contate a Ordo Templi Orientis.

  • Esta página foi modificada pela última vez em: 2017/08/17 14:39
  • por John Bell